A vida Segundo Cida: Meu Corpo é Mais do que Estética


Cida

Nós mulheres estamos tão acostumadas a reclamar e ouvir reclamações, comentários e dicas sobre nosso corpo ou partes dele que criamos alguns pensamentos automáticos em relação a isso.

Li um depoimento essa semana que dizia: “Pensei em como a minha barriga é feia e me senti horrível, chorei muito.”

A maneira que essa mulher falou da sua barriga me deixou muito triste e me acordou para o fato que as vezes nem pensamos em nosso corpo como o instrumento que ele é, que nos abriga, nos leva aonde queremos ir e nos dá as ferramentas para trabalhar, nos divertir, amar e viver. Se nosso corpo falha, nós morremos.

Então respondi ao comentário dela com as seguintes indagações:

Você sabe por que você acha a sua barriga feia?
Você lembra que a sua barriga abriga seus órgãos vitais e que a barriga da mulher é capaz de abrigar uma nova vida?

A resposta da primeira pergunta é bem simples, apesar de difícil de enxergar. Desde o nascimento somos bombardeadas com idéias de feio e bonito e julgamos de acordo com a nossa experiência e memória afetiva, concordando ou discordando desses conceitos, criando nosso “gosto pessoal”.
Essa memória afetiva vem de diversos exemplos e experiências que temos desde a primeira infância.
Adivinha o que acontece quando vemos uma coisa que repetidamente é dita como feia e ruim ou que nem ao menos temos exemplos para poder julgar? Existe uma possibilidade muito maior de julgarmos que isso é feio.

Daí a importância da representatividade de padrões diferenciados na mídia em uma luz positiva.
E enquanto essa representatividade não acontece proponho a vocês leitoras fazerem um “detox da negatividade corporal”.

O exercício é o seguinte: fique de uma semana a um mês sem olhar a grande mídia e nas redes sociais, procure e se cerque de exemplos positivos e mulheres lindas e fora do padrão que vemos normalmente. Boas hashtags para começar essa pesquisa de imagens são: #effyourbeautystandards e #ouseservoce

E para sempre lembrar da importância de cada parte do nosso corpo, que vai muito além apenas da estética, vale a pena observar como dependemos dessa máquina que é o nosso corpo no nosso dia a dia, e como ela tem que estar sempre cuidada com muito carinho e amor para funcionar com harmonia e conseguir exercer todas as funções do dia a dia.

Espero que tenha dado uma visão diferente dos nossos corpos para vocês, vamos nos amar mais!

Beijos e até a próxima!

Cida Neves

    Comments

    comments